Símbolos Oficiais

por Câmara de Barra do Garças — publicado 12/02/2016 18h35, última modificação 02/05/2016 15h25
Os símbolos e hinos são manifestações gráficas e musicais, de importante valor histórico, criadas para transmitir o sentimento de união nacional e mostrar a soberania do país. Segundo a Constituição, os quatro símbolos oficiais da República Federativa do Brasil são a Bandeira Nacional, o Hino Nacional, o Brasão da República e o Selo Nacional. Sua apresentação e seu uso são regulados pela Lei n. 5.700 de 1º de setembro de 1971.

Os símbolos e hinos são manifestações gráficas e musicais, de importante valor histórico, criadas para transmitir o sentimento de união nacional e mostrar a soberania do país. Segundo a Constituição, os quatro símbolos oficiais da República Federativa do Brasil são a Bandeira Nacional, o Hino Nacional, o Brasão da República e o Selo Nacional. Sua apresentação e seu uso são regulados pela Lei n. 5.700 de 1º de setembro de 1971.

Símbolos Nacionais

Brasão da República

Desenho foi criado no governo do primeiro Presidente da República, Marechal Deodoro da Fonseca

O Brasão de Armas do Brasil foi desenhado pelo engenheiro Artur Zauer, por encomenda do Presidente Manuel Deodoro da Fonseca. É um escudo azul-celeste, apoiado sobre uma estrela de cinco pontas, com uma espada em riste. Ao seu redor, está uma coroa formada de um ramo de café frutificado e outro de fumo florido sobre um resplendor de ouro. O uso do brasão é obrigatório pelos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário e pelas Forças Armadas. Também estão presentes em todos os prédios públicos.

 

Bandeira Nacional

Posição das estrelas corresponde ao céu do dia 15 de novembro de 1889, no Rio de Janeiro

As constelações que figuram na bandeira correspondem ao aspecto do céu do dia 15 de novembro de 1889, no Rio de Janeiro

Após a proclamação da República, em 1889, uma nova bandeira foi criada para representar as conquistas e o momento histórico para o país. Projetada por Raimundo Teixeira Mendes e Miguel Lemos, com desenho de Décio Vilares, foi inspirada na Bandeira do Império, desenhada pelo pintor francês Jean Baptiste Debret. Aprovada pelo Decreto nº 4, de novembro daquele ano, manteve a tradição das antigas cores nacionais - verde e amarelo - do seguinte modo: um losango amarelo em campo verde, tendo no meio a esfera celeste azul, atravessada por uma zona branca, em sentido oblíquo e descendente da esquerda para a direita, com os dizeres “Ordem e Progresso”.

As estrelas, que fazem parte da esfera, representam a constelação Cruzeiro do Sul. Cada uma corresponde a um Estado brasileiro e, de acordo com a Lei nº 8.421, de 11 de maio de 1992, deve ser atualizada no caso de criação ou extinção de algum Estado. A única estrela acima na inscrição “Ordem e Progresso” é chamada Spica e representa o Estado do Pará.

Selos

É usado para autenticar atos do governo, diplomas e certificados expedidos por escolas oficiais

Selo Nacional é usado para autenticar os atos do governo

O Selo Nacional do Brasil é baseado na esfera da bandeira nacional. Nele há um círculo com os dizeres “República Federativa do Brasil”. É usado para autenticar os atos de governo, os diplomas e certificados expedidos por escolas oficiais ou reconhecidas.

 

 

 

Hinos Nacionais

Letra do Hino Nacional foi criada em 1909 por Osório Duque Estrada, mas só foi oficializada em 1922

Conheça todos os hinos nacionais, que representam símbolos importantes para o País

Em 1890, por meio do Decreto nº 171, a composição musical do maestro Francisco Manoel da Silva é conservada como o Hino Nacional Brasileiro e durante um período aproximado de 32 anos, cantavam o hino com letras diferentes e inadequadas, nem sempre ajustadas à beleza e a dignidade da música. Somente às vésperas do 1º Centenário da Independência, em 6 de setembro de 1922, o Decreto nº 15.671 oficializa a letra definitiva do Hino Nacional Brasileiro, escrita por Osório Duque Estrada em 1909.

Existem também outros hinos nacionais, que representam símbolos importantes para o país. O mais antigo é o Hino da Independência, composto pelo próprio D. Pedro I. O Hino da Bandeira, escrito pelo poeta Olavo Bilac, foi apresentado pela primeira vez em 1906. Há ainda a Canção do Expedicionário, o hino cantado pelos pracinhas que lutaram a 2a Guerra Mundial na Europa.

Hino Nacional Brasileiro
Poema de: Joaquim Osório Duque Estrada
Música de: Francisco Manoel da Silva


Hino da Independência do Brasil

Letra de: Evaristo da Veiga
Música de: D. Pedro I


Hino da Proclamação da República

Letra de: Medeiros e Albuquerque
Música de: Leopoldo Augusto Miguez


Hino à Bandeira Nacional

Letra de: Olavo Bilac (1865-1918)
Música de: Francisco Braga (1868-1945)
Apresentado pela 1ª vez em 09/11/1906


Canção do Expedicionário

Letra: Guilherme de Almeida
Música: Spartaco Rossi

 

Bandeira Insígnia

Conheça os significados do Brasão da República, símbolo nacional aplicado sobre o fundo verde

Conheça os significados dos símbolos da bandeira

A bandeira-insígnia da Presidência traz o Brasão da República, um dos quatro símbolos nacionais, aplicado sobre o fundo verde.

O Brasão de Armas do Brasil foi desenhado pelo engenheiro Artur Zauer, por encomenda do Presidente Manuel Deodoro da Fonseca. Foi instituída  pelo Decreto número 4 de 19 de novembro de 1889 e desde então sofreu algumas alterações.

O escudo tem cor azul-celeste e é apoiado sobre uma estrela de cinco pontas, com uma espada em riste. Ao seu redor, está uma coroa formada de um ramo de café frutificado e outro de fumo florido sobre um resplendor de ouro.

O uso das Armas Nacionais é obrigatório no Palácio da Presidência da República e na residência do presidente da República; nos edifícios-sede dos ministérios; nas Casas do Congresso Nacional; no Supremo Tribunal Federal, nos Tribunais Superiores e nos Tribunais Federais de Recursos; nos edifícios-sede dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário dos estados, territórios e Distrito Federal; nas prefeituras e Câmaras Municipais; na fachada dos edifícios das repartições públicas federais; nos quartéis das forças federais de terra, mar e ar e das polícias militares e corpos de bombeiros militares, nos seus armamentos, bem como nas fortalezas e nos navios de guerra; na fachada ou no salão principal das escolas públicas; nos papéis de expediente, nos convites e nas publicações oficiais dos órgãos federais.

Baixe a imagem em alta resolução.

Símbolos Estaduais

Brasão de Mato Grosso
O brasão do estado de Mato Grosso foi instituído inicialmente em 14 de agosto de 1918, por iniciativa do governador Dom Aquino Correia. No Brasão de Armas do Estado de Mato Grosso destaca-se uma frase em latim: "Virtute Plusquam Auro", uma mensagem de honra e dignidade. A sua tradução corresponde a "Pela virtude mais do que pelo ouro".

Fonte: Decreto 5.003, de 29 de agosto de 1994.

 

 

 

Bandeira de Mato Grosso

Das 27 estrelas que representam as unidades federativas na bandeira do Brasil, Mato Grosso ficou com a Sirius, considerada pelos astrônomos como a mais brilhante do céu noturno. É por isso que a bandeira do estado tem uma grande estrela amarela no centro.

Historiadores também atribuem a ela a representação do ideal republicano e as riquezas minerais do estado, que tanto atraiam os primeiros colonizadores. 


O azul, branco, verde e amarelo são as mesmas cores da bandeira do Brasil, o que demonstrava interesse na integração do estado com o Brasil. Separadamente as cores representam o céu (azul), a paz (branco), a extensão territorial e natural (verde) e as riquezas minerais como o ouro abundante (amarelo). 

A bandeira de Mato Grosso é uma das mais antigas do Brasil. Foi oficializada no dia 31 de janeiro de 1890 por meio do decreto nº 2, de autoria do Brigadeiro Antônio Maria Coelho, barão de Amambaí, primeiro governador do Estado após a proclamação da República. Após a divisão, Mato Grosso manteve sua bandeira. 

Fonte: Decreto 2/1890 e SIQUEIRA, Elizabeth Madureira, História de Mato Grosso, Mato Grosso, 2002.

Hino de Mato Grosso

Apesar de ser bastante antigo, o hino de Mato Grosso só foi oficializado no dia 05 de setembro de 1983 pelo então governador Júlio José de Campos. O decreto oficializou o antigo poema “Canção Mato-grossense”, de autoria de Dom Francisco de Aquino Corrêa, e a música do maestro e tenente da Polícia Militar Emílio Heine.

Registros históricos apontam que o hino foi cantado em público pela primeira vez durante a cerimônia das comemorações do bicentenário de fundação de Cuiabá, em 08 de abril de 1919.

Veja abaixo a letra do Hino de Mato Grosso:

Limitando, qual novo colosso, 
O Ocidente do imenso Brasil, 
Eis aqui, sempre em flor, Mato Grosso, 
Nosso berço glorioso e gentil! 

Eis a terra das minas faiscantes, 
Eldorado como outros não há, 
Que o valor de imortais bandeirantes 
Conquistou ao feroz Paiaguá! 

Salve, terra de amor, 
Terra de ouro, 
Que sonhara Moreira Cabral! 
Chova o céu 
Dos seus dons o tesouro 
Sobre ti, bela terra natal! 

Terra noiva do Sol, linda terra 
A quem lá, do teu céu todo azul, 
Beija, ardente, o astro louro na serra, 
E abençoa o Cruzeiros do Sul! 

No teu verde planalto escampado, 
E nos teus pantanais como o mar, 
Vive, solto, aos milhões, o teu gado, 
Em mimosas pastagens sem par! 

Salve, terra de amor, 
Terra de ouro, 
Que sonhara Moreira Cabral! 
Chova o céu 
Dos seus dons o tesouro 
Sobre ti, bela terra natal! 

Hévea fina, erva-mate preciosa, 
Palmas mil são teus ricos florões; 
E da fauna e da flora o índio goza 
A opulência em teus virgens sertões! 

O diamante sorri nas grupiaras 
Dos teus rios que jorram, a flux. 
A hulha branca das águas tão claras, 
Em cascatas de força e de luz! 

Salve, terra de amor, 
Terra de ouro, 
Que sonhara Moreira Cabral! 
Chova o céu 

Dos seus dons o tesouro 
Sobre ti, bela terra natal! 
Dos teus bravos a glória se expande 
De Dourados até Corumbá; 
O ouro deu-te renome tão grande, 
Porém mais nosso amor te dará! 

Ouve, pois, nossas juras solenes 
De fazermos, em paz e união, 
Teu progresso imortal como a fênix 
Que ainda timbra o teu nobre brasão! 

Salve, terra de amor, 
Terra de ouro, 
Que sonhara Moreira Cabral! 
Chova o céu 
Dos seus dons o tesouro 
Sobre ti, bela terra natal!

Fonte: Decreto N° 38, de 03 de maio de 1983.

Símbolos Municipais

Brasão Municipal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Bandeira de Barra do Garças

Elementos componentes da Bandeira Municipal

Formato: Retangular

Cores: verde, amarelo, vermelho, branco e azul celeste.

Simbolismo: semicírculo representa o sol despontando no horizonte, projetando seus raios sobre a imensidão do município.

-Verde: representa as nossas matas.

-Amarelo:simboliza nossa riqueza encontrada no seio da terra dadivosa e fértil:- o ouro.

-Branco: exprime a um só tempo o simbolismo da ave (Garças) que deu seu nome ao rio, à e que dele faz lema insubstituível,

-Azul:reflexo do nosso céu.

-Vermelho: traduz a coragem, denodo, a fibra, a vontade indomável de nosso povo.

A Bandeira do Município de Barra do Garças foi oficializada através do Decreto Municipal nº 342 de 14 de setembro de 1976, na gestão do prefeito Valdon Varjão.

O desenho da Bandeira do Município foi idealizado por uma comissão composta por Daphnis Oliveira, Irmã Heloisa P. da Rocha, Arísio Monteiro Magalhães e Roberto Pimentel.

Fonte: Livro "Conhecendo Barra do Garças". Autora: Zélia dos Santo Diniz. p.68-69. Ano - 1995.

Hino de Barra do Garças

O hino de Barra do Garças foi oficializado no dia 05 de agosto de 1993 através do decreto 1554 do então prefeito Wilmar Peres de Farias. O decreto oficializou a composição literária “Eu Amo Barra”, de autoria de Eudes Roberto de Arruda Chaves, interpretada por “Eudes e Candinho”.

O hino foi vencedor do concurso que escolheu o Hino da Cidade de Barra do Garças, através da lei 1612 de/93, que entre outras disposições exigia um professor de música, um vereador indicado pelo plenário e o secretário de Educação, Cultura, desporto e lazer da época, para fazerem parte da comissão julgadora. 

Letra por Eudes Roberto de Arruda Chaves
Melodia por Eudes Roberto de Arruda Chaves

Te quero ver sempre bonita
Mais bonita do que és
Barra do garças encanta
É a musa que o povo canta
Terra fértil sobre os pés
Cidade da lua e do sol
Das praias de areia branca
Das águas limpas da serra
Barra boa garça branca

Menina nativa do vale
Teu sangue é o verde daqui
Diamante dos garimpeiros
Pioneiros fizeram existir

Barra do Garças encanta
Barra do Garças amor
Barra do Garças esperança
Eu amo barra
Eu vivo aqui!

Brasão da Câmara Municipal

 O Brasão da Câmara Municipal de Barra do Garças foi criado em 2001. O aspecto plástico da imagem caracteriza-se pela forma combinada entre curvas e retas, espaços abertos e vazados. A tipologia tem um caráter tradicional, combinando com o sentido de seriedade da cor azul marinho. A representação visual da logomarca da Câmara Municipal de Barra do Garças tem como referência o Congresso Nacional, em Brasília, uma vez que  destaca os elementos gráfico semicirculares – lado a lado, preenchido e vazio -, caracterizando o equilíbrio que norteia as decisões e ações desta casa de leis.

Aristoteles Cupolillo - criador do Brasão - Oficina de Propaganda